29/04/2016

Planos de saúde se preparam para cobrir atendimento e diagnóstico do Zika

Os planos de saúde e seguros de assistência à saúde estão se preparando para oferecer o atendimento para diagnóstico e tratamento do vírus Zika, informou ontem (28) a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde). De acordo com eles, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) deverá divulgar os critérios para esse atendimento em breve e a intenção é, desde já, antecipar um mapeamento do atendimento necessário.

A FenaSaúde ressaltou que os planos de saúde não eram obrigados a cobrir os exames obrigatoriamente e agora terão custos adicionais com esses novos procedimentos. Não é possível prever quanto ou se haverá repasse aos clientes. Segundo eles será primeiro preciso analisar os critérios definidos.

Conforme a FenaSaúde, a comunidade científica, assim como entidades do setor de saúde, está aprendendo diariamente sobre a dinâmica de infecção do vírus Zika. Estudos apontam risco médio de 1% de malformações neurológicas em fetos expostos à doença. Além disso, os quadros de paralisia flácida em crianças e adultos, conhecidos como Síndrome de Guillain-Barrè, são relacionados a essa infecção.

Leia mais:
>Com salários de até R$16 mil: Confira os concursos públicos abertos pelo país
>PM e bombeiros decidem não pela greve
Cuidados

A entidade alertou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou recentemente alguns testes laboratoriais para o diagnóstico do Zika: uns detectam a quantidade de anticorpos e outros a presença direta do vírus. "Como todos os exames laboratoriais estão sujeitos à falhas, a melhor forma de evitar o erro é a indicação precisa, ou seja, o quadro clínico deve sugerir a doença, e o prazo de coleta tem de ser dentro do recomendado pelo fabricante."

Segundo a FenaSaúde, as ações das associadas à federação incluem desde já o mapeamento e a mobilização de toda a rede de atendimento. Além disso, auxiliam os órgãos de saúde na identificação de pessoas que tenham sido internadas com suspeita ou confirmação da enfermidade.

A FenaSaúde participou ativamente no debate sobre a Resolução Normativa da ANS que definirá o protocolo de solicitação para o exame de diagnóstico do vírus Zika. O objetivo é atender os pacientes nos casos cientificamente indicados e seguindo os critérios estipulados, a fim de maximizar resultados e evitar desperdícios.

Rede de atendimento

No dia 19, a ANS finalizou uma proposta para incluir os exames de detecção do vírus Zika ao Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, que estabelece a cobertura obrigatória que os planos de saúde devem oferecer aos clientes.

Assim que for aprovada, a ANS dará prazo para que os planos de saúde organizem a rede de atendimento e de laboratórios para oferecerem os exames.

A cobertura do teste-rápido para as demais doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypt, dengue e chikungunya já é obrigatória.